Home Mercado de trabalho Aumento do Emprego Formal em março

Aumento do Emprego Formal em março

4 min read
0
Aumento emprego formal em março

Cenário da geração do emprego formal no Brasil permanece semelhante aos meses do primeiro semestre com ligeiro aumento na taxa. Empregados mantêm seus empregos em plena crise mundial. Por outro lado, apenas 1/3 da população brasileira está empregada. Crescimentos mínimos culminam em maior demanda por emprego informal e prejudicam a qualidade de renda da econômica nacional. MTE afirma que houve aumento de emprego celetista nas quatro das cinco grandes regiões do país.

Aspectos Gerais (Termos Absolutos)

Região Sudeste liderou a geração ao criar 86 mil postos de trabalho nos termos absolutos. Em segundo lugar ficou o Sul com 41,4 mil novos empregos criados, logo a frente da região Centro-Oeste (16,7 mil) e Norte (252 vagas). Nordeste foi a única região que apresentou queda,  – 32 mil postos, decréscimo de 0,54% se comparado com os números do mês passado. Fato ocorrido devido aos problemas sazonais das atividades com cultivos e fabricações do açúcar e álcool.

Termos Gerais por Região

Sudeste: O estado de São Paulo cresceu 0,39% gerando 47,2 mil novos postos. Minas Gerais se recuperou dos números baixos contabilizados em fevereiro e apontou crescimento de 0,56%, com 22,6 mil postos. Rio de Janeiro está na terceira posição dos empregos formais celetistas gerados na região, acréscimo de 0,34% / 12 mil.

Sul: Rio Grande do Sul ficou na liderança por causa dos 16,8 mil postos criados que alcançaram acréscimo de 0,66% se comparado com dados contabilizados no mês passado. Paraná registrou 14,8 mil empregos celetistas (+0,59%); Santa Catarina, 9,7 mil empregos com aumento de 0,34%.

Centro-Oeste: A maior taxa do crescimento relativo entre todos os 26 estados da República foi registrada no estado de Goiás: + 1,16% (12.700 postos de trabalho).  Dentro do Mato Grosso do Sul foram criadas 03 mil vagas (+0,66), enquanto que no DF (Distrito Federal) se originaram 1.850 empregos (+0,25%).

Tocantins obteve menor número de vagas criadas na região (907), embora tenha obtido crescimento de 0,66%, mesma faixa percentual dos sul-mato-grossenses. O Mato Grosso foi único estado que não cresceu na geração no que tange a geração de trabalho celetista: -0,14% / -806 vagas.

Norte: Dentro da região que abriga maior floresta de clima tropical em todo mundo foi Rondônia que conquistou destaque ao criar 645 empregos (+26%). Na sequência está Roraima (326 vagas / + 0,13%), enquanto que os outros estados apontaram quedas.

Nordeste: Somente Bahia (2,2 mil vagas), Piauí (461 vagas) e Rio Grande do Norte (417 vagas) apresentaram crescimento segundo nota do MTE.

Foto: politica-venezuela.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Check Also

Despedidos sem justa causa e combate ao trabalho infantil

A Convenção n. 158 da Organização Internacional do Trabalho afirma que um funcionário R…