Home Mercado de trabalho Como retornar para profissão de formação?

Como retornar para profissão de formação?

4 min read
0

Por diversos motivos, sociais e mercadológicos, muitas pessoas acabam trabalhando em outros setores que nada tem haver com a sua real formação acadêmica. As promoções vão aparecendo e o profissional decide fixar raízes na empresa. Porém, demissões surpresas podem subitamente acontecer. Nestes casos, não se desespere, esta é uma ótima oportunidade para retornar à profissão de formação.

Muitos que não foram despedidos também almejam exercer a atividade que gosta. Nestas horas, cabe ao próprio cidadão fazer uma análise sobre o que está acontecendo ao redor: Possui dependente ou contas atrasadas? Uma boa poupança para segurar os primeiros meses de aperto? Existe capital financeiro para investir em especialização? Existe muita pressão? Está indo bem no trabalho atual, vai ganhar um aumento ou promoção? Tudo pesa, reflita sobre os fatos friamente e conclua um prognóstico. Se der negativo, continue procurando emprego na área mesmo estando empregado. Busque trabalhos freelances ou informais para ir adentrando no mercado específico.

Comece a refazer os contatos, reconstrua sua network. Os estudos devem ser retomados prontamente. Hoje em dia a especialização é um elemento básico mesmo para os grandes profissionais se manterem em seus cargos. Faça novos amigos e professores, comece a respirar de novo na área. A atualização acadêmica é mais do que indispensável em um processo de regresso à legítima profissão de formação. Busque sempre inovar.

Valorize o diploma. Não se esqueça de que alguns atributos de nível universitário devem estar explícitos: Uso da forma correta e norma culta da língua portuguesa, conhecimentos de línguas estrangeiras, netiqueta, currículo diagramado corretamente segundo as normas da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas), entre outros elementos típicos da educação superior.

Para os que ainda não possuem experiência, somente o diploma, uma boa dica é procurar um curso técnico-profissionalizante para enriquecer o currículo e poder finalmente estagiar na área. Não vá direto para o pós-graduação ou mestrado, a Constituição permite que tais alunos estagiem, porém, dificilmente uma empresa contrata profissionais com este perfil sem experiência. Estes títulos possuem um estereótipo de que somente são úteis quando já se está atuando na área.

Por fim, não se esqueça de fazer uma pesquisa de mercado para entender quais segmentos da área estão disponibilizando mais vagas, selecione a que mais lhe agrada. Porém, tenha em mente de que mercados muito concorridos procuram jovens especialistas promissores uma vez que a demanda pelos cargos é altíssima.

Foto: Buscarempleo.es

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Check Also

Despedidos sem justa causa e combate ao trabalho infantil

A Convenção n. 158 da Organização Internacional do Trabalho afirma que um funcionário R…