Home Direito Escravidão assalariada: características gerais

Escravidão assalariada: características gerais

5 min read
0
Escravidão salarial
Confira o que é escravidão assalariada
Escravidão salarial se refere à situação percebida como voluntária na qual a pessoa depende de salários, em especial quando a dependência é imediata. Termo usado de maneira conotada, tipo de analogia entre escravidão e trabalho assalariado.

O termo escravidão assalariada tem sido usado para criticar a exploração econômica e estratificação social, de forma principal como poder de barganha desigual entre trabalho e capital (em especial quando trabalhadores recebem salários relativamente baixos, por exemplo, em fábricas).

A crítica da estratificação social abrange ampla gama de opções de emprego vinculadas às pressões hierárquicas da sociedade para realizar trabalho que priva os seres humanos do “caráter”, não apenas sob a ameaça de fome ou pobreza, mas também de estigma social e status de diminuição.

Semelhanças entre o trabalho assalariado e escravidão foram observadas na Roma Antiga, por Cícero, enquanto que a prática generalizada voluntária da Rússia Medieval indica a coexistência histórica.

Antes da Guerra Civil Americana os defensores do sul invocaram o conceito de escravidão assalariada de maneira favorável em comparação com a condição dos seus escravos para os trabalhadores do Norte.

Com o advento da Revolução Industrial, pensadores como Proudhon e Marx elaboraram a comparação entre o trabalho assalariado e a escravidão no contexto de crítica social da propriedade não destinada para o uso pessoal ativo.

A introdução do trabalho assalariado na Inglaterra do século 18 foi recebida com resistência, dando origem aos princípios do sindicalismo. De forma histórica, algumas organizações trabalhistas e individuais ativistas sociais defendem autogestão dos trabalhadores em cooperativas de trabalho como alternativas possíveis.

Emma Goldman denunciou a escravidão assalariada. A visão de que trabalhar por salários é semelhante à escravidão já estava presente no mundo antigo, a partir da noção de prostituição como escravidão temporária.  No momento em que a venda contratos eram formas mais diretas a se tornar cidadão na Roma Antiga, Cícero escreveu em “De Officiis” que quem fornece o trabalho por dinheiro se vende e coloca à posição de escravos.

A visão de que o trabalho assalariado tem semelhanças substanciais com a escravidão foi apresentada de maneira ativa no final do século XVIII e XIX por opositores do capitalismo.

Defensores da escravidão, principalmente dos estados escravistas do Sul, argumentaram que os trabalhadores livres do Norte estavam em piores condições do que os seus escravos, na Guerra de Secessão. Abolicionistas nos Estados Unidos consideravam a analogia como espúria.

Eles acreditavam que trabalhadores assalariados não eram “nem prejudicados nem oprimidos”. O abolicionista Frederick Douglass declarou: “Agora eu sou o meu próprio patrão” quando assumiu trabalho remunerado.

Foto: diocesezedoca-ma.blogspot.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Check Also

Despedidos sem justa causa e combate ao trabalho infantil

A Convenção n. 158 da Organização Internacional do Trabalho afirma que um funcionário R…