Home Mercado de trabalho Globalização e emprego

Globalização e emprego

4 min read
0
Globalização e trabalho
Confira os efeitos da globalização

Saldo da eficiência econômica e equidade social representam ponto importante no debate no campo de relações de trabalho. Ao atender as necessidades do empregador a gerar lucros para estabelecer e manter a eficiência econômica se mantém equilíbrio com o funcionário a criar equidade social que beneficia o empregado a desfrutar de vida saudável. A relação se mostra como ponto rotativo contínua nas sociedades ocidentais.

Efeitos da globalização

Mundo global efetuou questões ao criar fatores econômicos que proíbem ou permitem questões de emprego. O economista Edward Lee (1996) é famoso por estudar os efeitos e resume os quatro principais pontos de preocupação que afetam o trabalho global:

  1. A competição internacional a partir dos países recém-industrializados gera o crescimento do desemprego e aumento da disparidade de salários para os trabalhadores não qualificados nas nações industrializados. Importações provenientes de países com baixos salários exercem pressão sobre o setor manufatureiro dos emergentes. O “investimento direto estrangeiro” é atraído longe das nações industrializadas, no caminho dos países com economia travada e suscetível a ser considerada neoliberal.
  2. Liberalização econômica resulta em desemprego e desigualdade salarial nos países em desenvolvimento. Isto acontece como perda de emprego nas indústrias não competitivas e em superar oportunidades de emprego das novas zonas industriais.
  3. Os trabalhadores serão forçados a aceitar salários e condições de agravamento, como resultados do mercado de trabalho global em uma “corrida para o fundo”. O aumento da concorrência internacional pressiona a reduzir os salários e condições trabalhistas.

A globalização reduz a autonomia do Estado-nação. Capital é cada vez mais móvel – o que reduz a capacidade do poder público  em regular a atividade econômica.

Também resulta das descobertas de Lee o fato de que nos países industrializados há média de quase setenta por cento dos trabalhadores estão empregados no setor de serviços, a maioria dos quais consiste em atividades não transacionáveis. Como resultado, os trabalhadores são forçados a se tornarem hábeis ou encontrar outros meios de sobrevivência.

Em última análise este é um resultado de mudanças e tendências de emprego, uma força de trabalho em evolução na globalização representada por trabalhadores qualificados e diversificados de forma crescente que estão crescendo em formas atípicas de emprego.

Por fim, o mundo se encontra em ascensão em termos de povo. As populações crescem em nível superior do que a oferta de emprego e por consequência precisam encontrar na informalidade legal ou ilegal formas para poderem sobreviver no mundo global.

Foto: ccoocalella.blogspot.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Check Also

Despedidos sem justa causa e combate ao trabalho infantil

A Convenção n. 158 da Organização Internacional do Trabalho afirma que um funcionário R…