Home Mercado de trabalho Macroeconomia do mercado de trabalho

Macroeconomia do mercado de trabalho

5 min read
0
Desemprego
Vários tipos de desemprego são identificados na Macroeconomia
A força de trabalho é definida conforme os indivíduos com 16 anos ou mais, excluindo os militares. Taxa de participação consiste no número de pessoas na força de trabalho dividido por tamanho da população civil adulta não institucional.

A contabilidade inclui aqueles que não estão à procura de trabalho ou institucionalizados, como em prisões ou hospitais psiquiátricos, que ficam em casa de cônjuges, crianças e aqueles que servem nas forças armadas.

O nível de desemprego é definido com a força de trabalho menos o número de pessoas empregadas na atualidade. A taxa encontra definição com nível de desemprego dividido por força de trabalho, ou número de pessoas que trabalham / dividido pelo valor de adultos ou indivíduos com idade ativa. Nas modalidades de estatísticas os trabalhadores independentes são contados como empregados.

Variáveis: nível de emprego

Força de trabalho e vagas não preenchidas são modalidades chamadas de variáveis de ações que medem a quantidade ao ponto no tempo. Elas podem ser contrastadas com variáveis de fluxo que medem a quantidade em longo período de tempo.

Mudanças na força de trabalho são variáveis de fluxo, como o crescimento natural da população, a imigração líquida, os novos operadores e aposentadorias. Modificações no desemprego dependem das entradas compostas de pessoas sem o primeiro emprego e dos indivíduos empregados que perdem trabalho e procuram novas oportunidades profissionais.

Tipos de desemprego: macroeconomia do trabalho

Ao olhar para a macroeconomia geral, vários tipos de desemprego são identificados, incluindo:

  • Desemprego friccional – Isso reflete o fato de que leva tempo para as pessoas encontrarem novos empregos. Avanço tecnológico muitas vezes reduz o desemprego friccional, por exemplo: Motores de busca na Internet diminuem custo e tempo associados à localização de trabalho.
  • Desemprego estrutural – Existência de incompatibilidade entre as competências e outros atributos da força de trabalho exigidos por empregadores. Mudanças rápidas da indústria de natureza técnica e / ou econômica aumentam os níveis de desemprego estrutural, por exemplo: Aplicação generalizada de novas máquinas ou software vai exigir futuros funcionários para serem treinados na área antes da procura do emprego. O processo de globalização tem contribuído para mudanças estruturais no trabalho. Indústrias domésticas, como fabricação de têxteis, se expandem para lidar com demanda global, enquanto outros setores, caso dos produtos agrícolas, podem contrair devido à maior concorrência de produtores internacionais.
  • Taxa natural de desemprego – Somatória entre modalidades friccionais e estruturais que exclui as contribuições cíclicas de recessões. Consiste na menor taxa de desemprego que a economia estável pode alcançar, visto que alguns desempregos são inevitáveis. Os economistas não concordam com a taxa natural, com estimativas que variam de 1% a 5%, ou sobre o significado.

Leia mais:

Foto: cafayudandoavivir.blogspot.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Check Also

Despedidos sem justa causa e combate ao trabalho infantil

A Convenção n. 158 da Organização Internacional do Trabalho afirma que um funcionário R…