Home Condições de trabalho Merenda proibida para funcionários de escolas públicas no Rio Grande do Norte

Merenda proibida para funcionários de escolas públicas no Rio Grande do Norte

5 min read
2
Merenda proibida para professores

Merenda proibida para funcionários! Este é um dos fatos que explicitam claramente a crise que envolve a educação em todo o país, principalmente nos municípios mais esquecidos pela grande imprensa. Dentro das escolas existem diversos tipos de profissionais que necessitam de mais salários para poder de fato viver uma vida com menos privações. O Estado não aumenta as renumerações e prefere resolver a problemática com cortes ou regras que pragmaticamente não contribuem em nada para trazer alguma solução útil. Sem dúvidas, uma vergonha nacional. Discussão de educação na região sempre foi efervescente. Professores e funcionários das escolas públicas do Rio Grande do Norte estão proibidos de comer merenda!

As escolas públicas do local frequentemente são comentadas pela baixa estrutura existente. O Ministério da Educação diz que envia as verbas, mas naturalmente os esquemas de corrupção acabam por corroê-las, não sobrando quase nada para quem realmente precisa.
Na prática, com baixas renumerações fica quase impossível pagar todas as altas contas além de fazer refeição qualitativa com toda variedade de vitaminas que o corpo humana necessita para não agregar nenhuma doença seria. Sendo que diante a nova proibição os trabalhadores mal renumerados devem gastar mais para se alimentar no emprego com o intuito de desempenhar as funções com o corpo mais energizado.

A lei possui tanta força que nem mesmo as merendeiras concursadas que trabalham na cozinha podem se alimentar das suas próprias produções. Difícil vai ser saber se o alimento está com o gosto apropriado quando não é permitido nem ao mesmo provar a refeição.
Governo: Ministério Público Estadual e Federal já fizeram a recomendação oficial para que nenhum tipo de funcionário possa se alimentar com os alimentos oferecidos pelos governos.

Os órgãos públicos utilizam como base algumas resoluções previstas no Ministério da Educação. Segundo a Legislação do programa de alimentação escolar devem estar estritos apenas os alunos que estão devidamente matriculados em escolas públicas e filantrópicas.
A medida só foi efetivada às escolas estaduais. Os munícipios ainda estudam a possibilidade de autorizá-las, mas não devem fazer nada devida alta repercussão midiática gerada. As representações dos professores no Estado estão abismadas. Os representantes das classes estão imaginando alguma forma de reivindicar o direito de também se alimentar no serviço.

Sendo que o próprio Ministério Público entende que a lei deve ser modificada, sendo incrementados também os servidores. Porém, até a burocracia acabar esta medida deve ser respeitada sobre todos os rigores da lei no que tange ao uso indevido da respectiva verba público no uso da atividade pública.

Confira dicas de boa alimentação.

Confira mais informações sobre vagas e concursos:

Vagas
Concursos

Foto: Corbis

2 Comments

  1. celia buarque

    25 novembro, 2011 at 4:43 pm

    Consumir merenda escolar os funcionários não podem, jogar no lixo o que sobrou é totalmente legal. Desviar dinheiro público também pode, pagar salários dignos é totalmente proibido… Estamos com inversão de valores, não????

    Reply

    • Renato Duarte Plantier

      25 novembro, 2011 at 6:17 pm

      O fim da ética e suas consequências. O pior é pensar que grande parte deste orçamento com certeza absoluta vai ser desviada, sendo o DETRAN um dos órgãos mais corruptos de toda a nação! Lastimável!

      Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Check Also

Despedidos sem justa causa e combate ao trabalho infantil

A Convenção n. 158 da Organização Internacional do Trabalho afirma que um funcionário R…