Home Mercado de trabalho Taxa de desemprego do Brasil em abril

Taxa de desemprego do Brasil em abril

4 min read
0
Brasil apresenta cenário favorável na geração de emprego
Brasil apresenta cenário favorável na geração de emprego

Se for levado em conta o cenário global se pode dizer que o país apresenta cenário favorável na geração de emprego em nível formal, fator que simboliza maior segurança no que tange as condições econômicas do país na atualidade. Segundo o relatório mensal do CAGED, Brasil aponta crescimento de quase 217 mil postos de trabalho formal em abril.

Recorde nacional

Ao todo foram criados 216.974 postos, crescimento em praticamente todos os setores da econômica representa recorde para este ano. Aumento de 0,57% se contabilizada a taxa dos meses anteriores. Pela primeira vez em 2012 o índice os oito setores básicos da econômica presentaram média de crescimento na média nacional, sendo contabilizados inclusive saldos em municipais e estaduais. Maior índice da era Brizola Neto.

Acumulado do ano: Se comparados com os dados de abril 2011 se pode dizer que houve aumento de aproximados 702 mil empregos celetistas (com carteira assinada), gerando expansão de 1,85% no crescimento do trabalho brasileiro. Entre janeiro 2011 e fevereiro 2012 foi gerado 2.706.201 empregos, aumento significativo de 7,54%.

Setores que mais cresceram no trabalho brasileiro em Abril:

  • Serviços: 82.875 postos, campeão em números absolutos.
  • Construção civil: 40.606
  • Comércio: 33.704
  • Indústria da Transformação: 30.318

Vale ressaltar que os dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregado e Desempregados, órgão intimamente ligado ao MTE (Ministério do Trabalho e Emprego), aponta elevação na qualidade do emprego em quatro das cinco regiões geográficas do país. Sudeste conquistou a liderança como na maioria das contabilizações realizadas pela instituição: 142.612 novos postos. Destaques estaduais:

  • São Paulo: 85.346 postos (+0,70% comparado com abril passado)
  • Minas Gerais: 28.886 empregos (+0,71%)
  • Paraná: 20.923 novos postos (+0,82%)

Se pode dizer que 21 unidades da Federação registraram aumento de emprego. Índice negativo ficou no Nordeste, novamente por causa de problemas originados pela situação das atividades sucroalcooleiras. Diminuição de quase cinco mil empregos formais. Destaques negativos por conta de:

  • Alagoas: -13.274 postos
  • Sergipe: -2.188 postos
  • Pernambuco -2.127 postos

Áreas Metropolitanas: As capitais nacionais contaram com expansão de 72.604 trabalhos formais, aumentando o número em 46% comparado com os dados de março. Em termos absolutos se destacam:

  • São Paulo: 28.010 postos
  • Rio de Janeiro: 14.235 postos
  • Belo Horizonte: 9.008 postos

Destaque entre interiores de estados:

  • São Paulo: 57.336 postos
  • Minas Gerais: 19.878 postos
  • Paraná: 14.823 postos

O CAGED afirma que quase 814 mil empresas em todo o hemisfério nacional prestaram informações. Contabilizadas 1.798.101 admissões contra 1.581.127 desligamentos, os dois números mais movimentados do ano.

Foto: Bloco no Flickr

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Check Also

Despedidos sem justa causa e combate ao trabalho infantil

A Convenção n. 158 da Organização Internacional do Trabalho afirma que um funcionário R…