Home Mercado de trabalho Dicas para contratar assessoria de imprensa

Dicas para contratar assessoria de imprensa

6 min read
1
Conheça as características de uma assessoria de imprensa.

Na maioria das vezes em que um empreendimento de qualquer segmento começa a crescer no mercado nota-se a necessidade de investimento no setor de comunicação para que o sucesso empresarial continue constante. Porém, os empresários precisam entender que a comunicação é bem extensa, possui diversas nuanças e setores diferentes. O serviço de assessoria de imprensa é aconselhável para quem almeja o estrito relacionamento com as notícias jornalísticas, com a imprensa. Confira algumas dicas e entenda se sua empresa realmente necessita de assessoria de imprensa.

O profissional deve ter conhecimentos jornalísticos destacáveis na área de atuação produtiva da empresa. A qualidade da informação divulgada deve ser extremamente relevante, nada melhor do que um jornalista para detectar as demandas das redações – saber o que a imprensa especializada deseja divulgar é essencial para a fonte\empresa\instituição virar notícia.

Muitas vezes o contratante necessita tão somente de alguns serviços para ser assessorado e não de uma estrutura completa de comunicação. Nestes casos existem dois caminhos mais naturais no mercado: Contrate um jornalista autônomo (como PJ) ou uma empresa especializada para realizar a tarefa – hoje em dia existem tantos investimentos neste campo que os preços se tornam dia-a-dia mais baratos e bem acessíveis também para pequenas e médias empresas.

Existem alguns aspectos básicos que são extremamente importantes para entender a real necessidade de contratação deste serviço. Entenda se o seu investimento necessita realmente de Assessor de Imprensa (AI):

  • AI não é Web Designer. Não se deve solicitar ao jornalista à criação de folders ou banners em softwares de computadores, talvez só a ideia do conceito. Os programas estão ficando cada vez mais fáceis de serem usados, porém, qualquer projeto deste âmbito requer tempo, ou seja, o jornalista não pode ficar com funções acumuladas de outros setores.
  • AI não é Vendedor. Alguns empresários confundem o departamento de assessoria com o de vendas. Existem alguns lugares onde a estrutura da redação está dividida com a de vendas de anúncios em jornais, como acontece em muitos sindicatos. É um erro drástico, pois o empresário pode contratar um funcionário específico para realizar tal função pagando um salário relativamente mais baixo para um vendedor especializado em anúncios. Não preencha o tempo de seu assessor com vendas e sim com a função de sedimentar sua marca ou ideia.
  • AI não é um Mágico Lobista. Quando se contrata um AI o desejo inicial é o de alcançar as capas de impressos ou manchetes de telejornais. Porém, na prática, não existe nenhuma garantia de que isso possa acontecer. Por isso, esta não é uma responsabilidade exclusiva do assessor, mas sim de um leque de outras condições de qualidade de divulgação de informações que devem estar elaboradas de forma qualitativa e atrativa.
  • AI não é Publicitário. Entenda que a visão editorial é bem antagônica da publicitária. Os gêneros jornalísticos não têm preço e por isso possuem a credibilidade essencial para que o fato tenha característica de fonte de informação, e não de publicidade. A opinião do jornalista é estereotipada com isenção e desprovida de autopromoção e valorização pessoal, ele diminui a presença ideológica da empresa que está naturalmente embutida no conteúdo divulgado.

Foto: Saül Gordillo no Flickr

One Comment

  1. JOSIAS ESPINDOLA

    28 novembro, 2012 at 10:57 am

    QUERO UM ASSESSOR DE IMPRENSA

    Reply

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Check Also

Despedidos sem justa causa e combate ao trabalho infantil

A Convenção n. 158 da Organização Internacional do Trabalho afirma que um funcionário R…