Home Mercado de trabalho Dicas para contratar funcionário. Parte II

Dicas para contratar funcionário. Parte II

5 min read
0
Saiba quando contratar um funcionário

No primeiro artigo foram discutidas cinco regras básicas para contratar funcionários: Investigação do passado, trabalhos realizados, nível de preparação, legítima necessidade de contratação e forma de comunicação. Neste texto serão debatidos mais cinco elementos: Contato com o cliente, pagamentos, tarefas realizadas, tempo para ensinar a função e necessidade temporal de trabalho demandado. Conheça algumas dicas para contratar funcionários.

Contato com o cliente: Muitas vezes o cargo disponível possui atividades relacionadas com o relacionamento direto com a clientela. São casos onde a falta de experiência pode ser crucial para o desenvolvimento produtivo, onde um cliente que estava tranquilo pode passar a ficar insatisfeito, danificando a fidelização do mesmo.

Ressalta-se que mesmo os funcionários mais experientes podem passar por apuros na fase de adaptação. Neste sentido, vale mais a pena deixar algum antigo empregado supervisionando, ensinando aos poucos cada etapa do itinerário. Conforme o tempo passa o novato se adapta melhor com o público, dinâmica de trabalho e regras da cultura organizacional.

Pagamento: Dinheiro e amor são dois pontos interligados também no ambiente de trabalho. Normalmente, quando microempresas estão ainda começando a crescer não existe renda disponível para oferecer os melhores salários, porém, os grandes profissionais sabem que a chance de crescer junto é explícita e que naturalmente o seu salário irá aumentar futuramente junto com o nível do seu cargo.

Muitas vezes o cliente também entra diretamente neste tópico. Afinal, é o dono ou o funcionário que vai receber o dinheiro pela empresa? A escolha deve transmitir total confiança para o dono do estabelecimento.  Funcionários novos às finanças não devem assumir o posto máximo logo na primeira contratação, principalmente quando os mesmos não são conhecidos pelos empregadores.

Tarefas realizadas: O número de tarefas realizadas também deve ser ressaltado. Dois recém-contratados desempenhando a mesma função pode gerar um duplo revés à produção quando não estão legitimamente gabaritados á atividade.

Tempo para ensinar a função:Neste sentido, é necessário possuir tempo para realização de treinamento além de inúmeras reuniões para que os objetivos fiquem sempre explícitos. É interessante também que haja um empregado mais experiente para delegar as funções por certo período.

Certamente que o tempo gasto no início é sempre superior do que o ganho com a produção. Porém, é extremamente necessário para que projetos futuros não sejam atrasados por falta de treino. As empresas possuem regras antagônicas que nem toda a experiência do mundo pode suprir sem um mínimo limite temporal

Necessidade temporal do trabalho: O tempo de duração da colaboração é extremamente importante.

O período demandado e a chance do serviço virar uma rotina da empresa, o que demandará mais força de trabalho por um tempo maior, devem ser colocados em análise para que o fluxo de caixa não seja danificado crucialmente.Seja bastante claro no período de tempo da contratação do colaborador para não ser criticado no mercado ou nas redes sociais no futuro.

Leia mais
Promover ou contratar?

Foto: Joebeone

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Check Also

Despedidos sem justa causa e combate ao trabalho infantil

A Convenção n. 158 da Organização Internacional do Trabalho afirma que um funcionário R…