Home Formação Programa Ciência sem Fronteiras: Resultados e perspectivas

Programa Ciência sem Fronteiras: Resultados e perspectivas

4 min read
0
Programa Ciência sem Fronteiras
Programa Ciência sem Fronteiras

O Programa Ciência sem Fronteiras lançado em 2011 já apresenta resultados positivos para a educação brasileira. Em setembro, aproximados 12 mil alunos embarcaram para terras estrangeiras em busca de aprimoramento acadêmico. Vale ressaltar que quase sete mil alunos brasileiros estão em universidades de ponta no exterior. Os estudantes estão em nações como:

  • Alemanha
  • Austrália
  • Bélgica
  • Canadá
  • Coreia
  • Espanha
  • Estados Unidos
  • França
  • Holanda
  • Itália
  • Portugal
  • Reino Unido

Palavras oficiais

De acordo com o MEC (Ministério da Educação e Cultura), os próximos editais do programa estão previstos para graduação nos doze países acimas, acrescidos da China. Até 2015 os governantes desejam distribuir mais de 100 mil bolsas, sendo 75 mil arcadas com recursos do tesouro federal. As vagas restantes são concedidas em parceria com instituições de ensino privadas. “Não tenho dúvida de que esse programa vai abrir um novo capítulo na história da educação brasileira”, afirmou Aloizio Mercadante, ministro do MEC.

Visita ilustre: O cientista israelense Dan Sechtman, ganhador do prêmio Nobel de Química de 2011, vai ficar dez dias em terras nacionais. A visita foi conquistada graças aos esforços da CAPES (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior) e embaixada de Israel no Brasil, segundo palavras escritas na nota do MEC.

Sechtman participou da 64ª Reunião Anual SBPC (Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência), no Maranhão, e das palestras na USP (Universidade de São Paulo), pelo programa Escola de Altos Estudos da CAPES. Interessante notar que existem quase mil alunos estudando fora do país com o dinheiro custeado pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. “O Brasil é um polo de atração de pesquisadores. A Europa vive uma crise muito grave e os Estados Unidos também têm desemprego na área acadêmica”, disse Mercadante.

Brasileiro engradecendo a nação no exterior

Diogo Publio, bolsista da CAPES, ganhou prêmio de tecnologia em San Diego. O estudante da Universidade da Califórnia foi estava na primeira lista dos alunos que embarcaram no Programa Ciências sem Fronteiras.

O projeto está baseado em sistemas de aplicativo móvel feito para facilitar a rotina dos jovens da cidade americana. Feito com programações culturais que trazem informações atualizadas sobre as imediações da localização do aparelho. “Tecnologia mobile sempre me interessou e pretendo continuar trabalhando nessa área. Criamos uma forma de listar a programação de bares e casas de show, sem a necessidade de seguir cada uma delas para saber das novidades”, afirmou o estudante que somente volta ao Brasil no início de 2013.

Foto: saladecomposee.wordpress.com

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Check Also

Despedidos sem justa causa e combate ao trabalho infantil

A Convenção n. 158 da Organização Internacional do Trabalho afirma que um funcionário R…